« Postagens Antigas
Escolha uma Página

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), intensificou nos últimos dias o corpo a corpo com parlamentares e fez do Palácio do Planalto uma extensão do Congresso Nacional. Segundo levantamento, de 29 de junho até domingo (16), 82 deputados e 16 senadores foram recebidos pelo presidente. Os números representam 15% dos 513 deputados e 20% dos 81 senadores.

O líder do PMDB na câmara minimizou a quantidade de deputados recebidos por Temer nas últimas semanas. “Ele sempre teve uma agenda muito aberta para parlamentares. Mas isso é importante, os deputados sempre pedem reuniões, é importante que o presidente atenda”, afirmou Baleia Rossi.

A oposição, no entanto, tem feito críticas à mobilização de Temer para derrubar a denúncia. Além da agenda intensa, destacam que o governo está usando dinheiro público com a liberação de emendas e de recursos para obras, para convencer os deputados a votar a favor dele.

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) disse que vai entrar nesta segunda-feira (17) com um pedido para que a Procuradoria-Geral da República investigue o caso. “Queremos impedir que o presidente Temer continue usando dinheiro público para obstruir a justiça e permanecer impune com a ajuda do Congresso”, afirmou ele.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), decidiu nesta quinta-feira (13), junto com representantes partidários, marcar para o dia 2 de agosto, às 9h da manhã, a votação em plenário da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer.

Caberá a Câmara dos Deputados a palavra final se autoriza ou não o Supremo Tribunal Federal (STF) a analisar a acusação feita pela Procuradoria-Geral da República, com base nas delações dos executivos da JBS. Para que a denúncia siga para o Supremo, são necessários pelo ao menos 342 votos dos 513 deputados.

 

 

You have Successfully Subscribed!

Share This