« Postagens Antigas
Escolha uma Página

O presidente Michel Temer desembarcou nesta quinta-feira (22) em Oslo, capital da Noruega, para encontros com autoridades e investidores locais. A visita de dois dias ao país é a segunda e última etapa da viagem internacional desta semana do presidente, que antes esteve em Moscou, na Rússia.

O presidente será recebido pelo rei Harald V e se encontrará com a primeira ministra, Erna Solberg, e o presidente do parlamento Olemic Thommessen. Temer também se reunirá com líderes empresariais do país.

Segundo o governo, a Noruega foi o oitavo maior investidor do Brasil em 2016, com um valor de US$ 2,1 bilhões, recursos aplicados principalmente no setor de petróleo, gás e indústria naval. Essas três áreas correspondem a 75% dos investimentos das cerca de 150 empresas norueguesas presente no Brasil.

O presidente também buscará parcerias em questões ambientais e de desenvolvimento sustentável, com a presença do ministro da pasta, Sarney Filho. A Noruega foi o primeiro doador do Fundo da Amazônia e hoje permanece como um dos principais contribuidores.

Entre 2009 e 2016, os noruegueses deram um a porte de cerca de US$ 2,8 bilhões ao fundo. Autoridades e organizações ambientais locais deverão, no entanto, cobrar uma política ambiental mais rígida por parte do governo brasileiro, com a aplicação de políticas públicas menos frouxas e mais ousadas no setor.

O ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Vidar Helgesen, enviou uma carta ao governo brasileiro apontando preocupação com as recentes decisões do Congresso em relação ao licenciamento ambiental e a redução das áreas de preservação ambiental no país. No documento enviado ao ministro do Meio Ambiente Sarney Filho, Helgesen criticou a “tendência preocupante” de alta do desmatamento e do enfraquecimento da proteção ambiental no país. O que poderia colocar em risco a parceria estabelecida entre o Brasil e Noruega nesta área.

Antes da viagem, o presidente Temer vetou duas medidas provisórias (MPs) polêmicas que reduziram áreas de preservação ambiental, evitando anunciadas queixas em Oslo sobre estes dois pontos específicos da agenda do meio ambiente. A MP 756, vetada de forma integral, flexibilizava os critérios de uso da Floresta Nacional (Flona), que teria sua área reduzida de 1,3 milhão de hectares para 813 mil hectares. Já a MP 758, vetada parcialmente previa a exclusão de cerca de 860 hectares do Parque Nacional para a construção da estrada de ferro Ferrogrão, próximo a BR-163.

Temer retorna ao Brasil na sexta-feira à noite e encontrará sérios problemas políticos. O presidente poderá ser denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR) por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à justiça em caso no âmbito da Operação Lava Jato, relativo às delações do empresário Joesley Batista dono da J&F e Ricardo Saud executivo da JBS.

 

 

You have Successfully Subscribed!

Share This