« Postagens Antigas
Escolha uma Página

Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) mostra o índice de infestação do mosquito

A Prefeitura Municipal de Uberaba, por meio do Departamento de Controle de Zoonoses e Endemias da Secretaria de Saúde, divulgou nesta quinta-feira (24) o resultado do primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2019. A pesquisa foi realizada entre os dias 14 a 18 de janeiro e identificou um índice de infestação de 4,26%, valor que aponta a existência de um risco de surto de arboviroses. Em 2018, o primeiro LIRAa apontou uma infestação de 8,7%, o índice mais alto em todo histórico de Uberaba.

Os índices inferiores a 1% representam que não há risco de surto, devido ao baixo número de infestação dos mosquitos. Já o índice entre 1% e 3,9% é considerado em situação de alerta. Quando o índice de infestação é maior que 4%, considera-se um risco maior para a transmissão das arboviroses.

Lara Rocha Batista, chefe do Departamento de Controle de Endemias e Zoonoses, destaca que o LIRAa é uma metodologia importante, principalmente o de janeiro, para direcionar as ações do Departamento e da Secretaria de Saúde como um todo, por ser o período mais crítico no ciclo do Aedes aegypti, com a questão ambiental mais propícia para a proliferação do mosquito, com umidade e temperaturas elevadas. “A gente obteve esse índice de 4,26%. Se comparado ao índice do mesmo período do ano anterior, é um valor mais baixo, pois em 2018 tivemos um índice de 8,7%. Apesar disso, não podemos ficar tranquilos, pois ainda é um índice considerado alto e a população precisa tomar consciência e realizar o seu papel, pois a maioria dos focos que encontramos ainda estão dentro das residências”, ressalta Lara.

O levantamento de 2019 aponta que há um predomínio de focos do mosquito em resíduos sólidos (recipientes plásticos, garrafas PET, latas), sucatas e entulhos de construção, seguido por depósitos móveis – vasos/frascos com água, pratos, garrafas retornáveis, pingadeira, recipientes de degelo em geladeiras, bebedouros em geral, pequenas fontes ornamentais, materiais em depósitos de construção (sanitários estocados, canos, etc.), objetos religioso-rituais.

Segundo o secretário de Saúde, Iraci Neto, o resultado obtido é um dado em que a Secretaria estava com muita expectativa, devido o dado de 2018. “Apesar de esses números terem baixado, ainda estamos em pleno período sanzonal de dengue e continuamos acima de 4%. Esses dados são uma ferramenta importante para trabalhar o planejamento nos 14 extratos/regiões de Uberaba e orientar as ações, que são contínuas, mas serão intensificadas”, pontua Iraci.

Tanto o secretário, quanto a chefe do Departamento de Controle de Endemias e Zoonoses, enfatizam a importância da participação da população para evitar o acúmulo de lixo e de materiais que possam servir de criadouros para o mosquito transmissor das arboviroses. “Vamos contar com o apoio dos agentes comunitários de saúde nas visitas domiciliares, bem como os trabalhos de rotina dos agentes de controle de endemias junto à população para conscientizar as pessoas, entre outras ações que serão planejadas conforme a necessidade de assistência no município. Estamos realizando a capacitação dos profissionais de saúde e conversando com a gestão das UPAs e estamos atentos para trabalhar em todos os eixos para evitar um surto, mas precisamos da colaboração da população para vencermos mais este ciclo das arboviroses”, destacou Iraci.

LIRAa – Três bairros apresentaram o Índice de Infestação Predial acima de 20%, de acordo com o primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2019. Foram os bairros: Portal do Sol, com 33,33%, Parque das Gameleiras II, com 28,57%, Jardim Indianópolis, com 21,05%. Os bairros Jardim Indianópolis, Antonio Caiado, Jardim Marajó II, Mercês, Anatê, Tutunas, Residencial Estados Unidos II, Jardim Espírito Santo, Jardim Santa Clara, Residencial 2000, Residencial Jardim Califórnia e Residencial Colibri II apresentaram índices entre 10 e 20%.

AÇÕES – Segundo a chefe do Departamento de Controle de Endemias e Zoonoses, a partir deste resultado, as visitas domiciliares serão intensificadas, principalmente nos bairros que apresentaram maiores índices de infestação, além de realizar ações educativas e buscar parcerias com associações de bairros, associações religiosas, escolas, empresas de coleta seletiva, visando ampliar o alcance das informações que estão sendo divulgadas. O Mutirão de limpeza está em fase de planejamento, e será realizado naqueles bairros onde houve alto índice de infestação relacionado aos depósitos móveis passíveis de serem recolhidos, com participação ativa da população. Ressalta-se que o objetivo do mutirão de limpeza é recolher todo material que possibilite acúmulo de água, com objetivo único de controle da proliferação de mosquitos. Portanto, o recolhimento será seletivo, respeitando-se o objetivo da ação.

Em relação ao fumacê, já foram solicitadas quatro caminhonetes UBV ao Estado para que possamos dar início ao controle da população adulta do mosquito, tendo como critérios o índice de infestação e o número de notificações de casos suspeitos por bairro. As motofogs serão utilizadas seguindo os critérios do fumacê. Em casos de dúvidas, denúncias e solicitações, o atendimento ocorre pelo disque dengue no 3315-4173.

Fotos: André Santos

 

 

 

You have Successfully Subscribed!

Share This